A ROMÃ E O DIA DE REIS


 

 

Foto: Divulgação

A romã, com sua enorme quantidade de sementes, não poderia escapar como símbolo de fartura, fertilidade. A multiplicação de bênçãos divinas, que devem ser tão numerosas quanto os grãos da romã, é o pedido feito pelos judeus, no Rosh Hashaná, ao comerem a fruta.  As sementes, comidas em setembro, vão parar debaixo do travesseiro, para atrair fortuna.

Originária da África, a Punica Granatum adaptou-se bem ao Brasil, principalmente ao Paraná, à Santa Catarina e ao Rio Grande do Sul.

Símbolo nacional da Espanha, a romã desde tempos imemoriais, foi tida como fruto ligado à fertilidade, na China, Pérsia e Roma, entre outros.

Quando as mães chinesas oram por seus filhos, oferecem à deusa da misericórdia, os frutos do romanzeiro. Na arte cristã, eles representam a esperança.

No dia de Reis, seis de janeiro, comemora-se a visita dos reis magos Gaspar, Balthazar e Melchior ao estábulo onde nasceu Jesus, com ofertas de ouro, incenso e mirra, em reconhecimento à vinda do Rei dos Reis.

Foto: Divulgação

 

Nesta data, a tradição manda segurar entre os dentes, uma a uma, três sementes de romã, rogando-se dinheiro para o ano e invocando pelo nome de cada um dos Reis Magos.

As sementes são guardadas até o ano seguinte, na carteira, envoltas em papel branco, quando são jogadas fora, de preferência no mar, num rio ou em qualquer água corrente, renovando-se os pedidos. O importante é a mentalização da fortuna, do equilíbrio e da harmonia.

Sob a ótica das cores, as sementes da aroma madura são vermelhas e brilhantes, um dos tons mais difundidos dentre os usados no ano-novo, simbolizando o fogo, o sangue, a vida animal, a integração do indivíduo com a comunidade, o princípio vital.

Como sementes, uma vez enterradas, trarão à vida novas plantas e novos frutos no ciclo eterno da natureza.

Vamos dar uma mãozinha ao destino e levar para casa uma romã, para perpetrar a simpatia e garantir um Feliz Ano Novo! – texto extraído e adaptado, do livro “Feliz Ano Novo – Faça Tudo para Consegui-lo”.


Autor: Maria Eugenia Cerqueira

Compartilhe Esse Post Em

Envie um Comentário