Ópera Brasileira para as salas de cinema!


THEATRO MUNICIPAL DE SÃO PAULO TERÁ PRIMEIRA TRANSMISSÃO AO VIVO DE UMA ÓPERA BRASILEIRA PARA SALAS DE CINEMA

Fundação Theatro Municipal (FTM) e o Instituto Brasileiro de Gestão Cultural (IBGC) lançam na terça-feira (24/03) o projeto Municipal Ao Vivo, iniciativa pioneira na transmissão para cinemas de óperas produzidas no Brasil. Em parceria com a empresa Cinelive, a ópera Otello será exibida para convidados em salas de São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília, em alta definição e com som de alta fidelidade.

Quem acompanha o universo da música lírica sabe que há algum tempo é possível ter essa experiência com as óperas do Metropolitan, de Nova York, ou da Royal Opera House, de Londres. Mas esta será a primeira vez que o público poderá vivenciar algo semelhante a partir de uma montagem brasileira.

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

A transmissão é parte do projeto Municipal Digital, que explora tecnologias de informação e comunicação digitais para oferecer ao maior número possível de pessoas os conteúdos produzidos pela FTM e IBGC, ampliando o acesso a espetáculos artísticos de excelência.

A primeira transmissão acontece em caráter experimental. “Nesse campo da arte e tecnologia é necessário produzir protótipos, descobrir caminhos”, afirma José Luiz Herencia, Diretor-Geral da Fundação Theatro Municipal. “Mas apesar de experimental, já estamos trabalhando para oferecer uma experiência de ponta, próxima ao que almejamos para a temporada regular do teatro.”

Para o Diretor Executivo do IBGC, William Nacked, “o projeto Municipal Digital, que abriga as experiências de transmissão ao vivo, nos permitirá cumprir uma importante meta desta gestão, que é democratizar o acesso às produções do Theatro”. A FTM e o IBGC já iniciaram tratativas com a SPCine para garantir que os espetáculos do Municipal sejam transmitidos para salas do circuito municipal de cinemas que está sendo criado nos equipamentos públicos de São Paulo, em especial na periferia da cidade.

“Além dos 1500 lugares que oferecemos presencialmente ao público, estamos propondo uma nova modalidade de apresentar nossas óperas e concertos. É a concretização de um plano audacioso e com ele estamos fazendo história”, afirma o diretor artístico John Neschling, que rege a apresentação. O próximo passo do projeto será a formatação de um plano, em parceria com a SPCine e a Cinelive, para garantir a transmissão regular das óperas.

A Cinelive é responsável por diversas apresentações ao vivo de espetáculos culturais, musicais e esportivos nos cinemas brasileiros. Para transmissão de Otello será utilizada uma tecnologia que permite a disseminação do conteúdo com velocidade e qualidade HD, exclusiva da empresa, que vem liderando o mercado de conteúdo alternativo do país.

A récita do dia 24/3 é apresentada pelo Santander, patrocinador-mantenedor da Série Terças da Temporada 2015 do Theatro Municipal de São Paulo.

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Theatro Municipal de São Paulo

O Theatro Municipal surgiu para a cidade de São Paulo como um grande símbolo das aspirações cosmopolitas do início do século 20. Cada vez mais refinada e com mais recursos provenientes do ciclo café, a alta sociedade paulistana espelhava-se em valores europeus e desejava uma casa de espetáculos à altura de suas posses para receber grandes artistas da música lírica e do teatro. Com incentivos fiscais e investimentos dos próprios barões do café, o arquiteto Ramos de Azevedo e os italianos Cláudio Rossi e Domiziano Rossi iniciaram a construção do teatro em 1903 e, em 12 de setembro de 1911, o Theatro Municipal foi aberto diante de uma multidão de 20 mil pessoas que acompanhavam a chegada dos ilustres convidados.

O Theatro Municipal de São Paulo passou de departamento da Secretaria Municipal de Cultura a Fundação de direito público em 27 de maio de 2011. Em 2013 a Fundação Theatro Municipal de São Paulo passou a ser dirigida artisticamente pelo maestro John Neschling, tendo como diretor geral José Luiz Herencia e com contrato de gestão com a organização social da cultura Instituto Brasileiro de Gestão Cultural, dirigida por William Nacked.

 


Autor: Amantes da Vida

Compartilhe Esse Post Em

Envie um Comentário