Novos tempos

Atualizado: Fev 5

Os primeiros emails que recebi ressaltando a tal da “melhor idade”, depois de lê-los superficialmente, devolvia  ao  remetente, com o singelo comentário: “Aqui por engano.”

Mas como sou naturalmente “antenada”, percebi que uma nova parcela da população feminina começava, ainda que timidamente, a reverter o estigma da velhice conhecida.

Avalanches de emails neste sentido começaram a surgir na minha tela, e acabei achando o MÁXIMO participar de mais esta revolução – a da nova idosa.

Mais esta, pois sou da geração que participou das enormes alterações comportamentais que revolucionaram a metade do século passado, o que terminou há alguns anos.

As jovens de hoje, com a maior naturalidade, desfilam  em massa, seus estreitíssimos biquínis, suas mini-saias que há décadas dominam a moda, e que variam apenas em pequenos e charmosos detalhes. Mas para segurar os estandartes das novidades não foi fácil. Encarar  quase  que isoladamente nos idos de 60  um “duas-peças” que expunha o umbigo, sem perder a fama de “menina de família”? Coisa de Che Guevara na moda.

Poderia arrolar diversos vanguardismos daquele período. Entretanto,um radicalismo inicial é necessário quando se pretende promover fortes mudanças no conceito da velhice clássica. E convenhamos saudosismo traz certo ranço do antigo idoso.  A pessoa madura do novo século, vivencia o dia de hoje,virada para o dia de amanhã.

Com o aumento da expectativa de vida, ganhamos uns vinte anos para serem vividos ainda. Tempo para reiniciarmos uma nova carreira, para realizarmos sonhos adormecidos, para usufruirmos  das fartas colheitas e sobretudo para nos livrarmos em caráter definitivo da tirania da juventude.

Manter a agradável aparência é obrigação. Mas cair aos prantos a cada ruga nova percebida, não faz o perfil da atual mulher madura.

Afinal, concorrer com uma mulher de 30,40 anos no quesito visual é  querer conviver com a frustração.

Temos que valorizar o que conquistamos e não ficar lamentando o que perdemos.

O tempo, daqui para frente deve deixar de ser nosso inimigo e tornar-se o nosso maior aliado.

Devemos trocar figurinhas sobre todas as vantagens que a idade traz.

Assim, bem-vindas amigas de RG baixo, mas que já são ou querem se tornar verdadeiras AMANTES DA VIDA.

Foto: Divulgação


0 visualização

Fique por dentro das novidades

© 2020 Amantes da Vida - Todos os direitos reservados